IBGE Explica • ODS 10

Olá! Sejam bem-vindos à série especial do IBGE Explica sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável! Hoje vamos falar do objetivo 10: “Redução das Desigualdades” De acordo com ele, temos que, até 2030, “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”

A desigualdade é uma preocupação global, que vem crescendo nos últimos tempos O então presidente norte-americano, Barack Obama, chegou a dizer, em 2013, que o aumento da desigualdade de renda seria o desafio definitivo de nossa era De fato, ela causa descontentamento e imobilidade social, que gera conflitos, segregação, sentimento de injustiça e violência Além dos aspectos sociais, um estudo do FMI aponta que a desigualdade prejudica também o crescimento econômico dos países De acordo com este estudo, se a participação na renda dos 20% mais ricos aumenta, então o crescimento do PIB diminui a médio prazo

Em contrapartida, um aumento na participação na renda dos 20% mais pobres está associado a maior crescimento do PIB O coeficiente de Gini é o mais utilizado para se avaliar o nível de desigualdade de determinada população Resumidamente, ele varia de 0 a 1, e quanto mais próximo de zero, menor a desigualdade Um coeficiente Gini de 1, portanto, significaria a total concentração de renda, ou seja, uma pessoa detendo toda a riqueza de, por exemplo, um país De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano, elaborado pelas Nações Unidas, os três países mais desiguais do mundo são a África do Sul, a Namíbia e o Haiti

O Brasil ocupa a décima posição Para ficar mais claro, imagine que estas 10 pessoas representem todo o Brasil e estejam alinhadas de acordo com a renda Esta representa os 10% com maiores rendimentos e esta os 10% com menores rendimentos Utilizando dados da PNAD Contínua 2016, se pegássemos 100 reais e distribuíssemos entre elas, esta ficaria com R$ 43,40 e esta com R$ 0,80 Os 10% mais ricos possuem uma parcela da massa de rendimento superior à dos 80% da população com os menores rendimentos (40,8%)

Embora o Brasil tenha um elevado nível de desigualdade, ela diminuiu consideravelmente Em 1989, por exemplo, o índice de Gini era de 0,633, o que nos deixaria em segundo lugar na classificação atual Em lugares como os Estados Unidos, o Reino Unido, o Canadá, a Irlanda e a Austrália, por sua vez, a desigualdade vem aumentando nos últimos tempos, especialmente após a década de 1980 Você saberia dizer quais são os países menos desiguais? São eles: Ucrânia, Eslovênia e Noruega Para efeitos de comparação, utilizando o mesmo esquema anterior, os 10% mais ricos na Ucrânia ficariam com R$ 21,60 e os 10% mais pobres, com R$ 4,20

O ODS 10 também almeja reduzir a desigualdade entre os países Se pegarmos o PIB baseado na paridade de poder de compra de todo o mundo segundo o FMI, veremos que todo o continente africano responde por 5%, apesar de contar com cerca de 16% da população mundial, ao passo que a Europa tem 20,97% do PIB com cerca de 10% da população mundial China, Estados Unidos, Índia, Japão, Alemanha e Rússia somados representam 51,72% de todo o PIB mundial! Deixando de lado os aspectos econômicos, a desigualdade entre países também envolve a participação na governança global A tomada de decisão em importantes instituições internacionais, como o Conselho de Segurança da ONU, o FMI e o Banco Mundial não reflete a realidade contemporânea, pois dá um peso desproporcional aos países desenvolvidos Por serem instituições cruciais na construção da ordem internacional, é fundamental que seja assegurada uma representação e voz mais forte dos países em desenvolvimento, a fim de produzir instituições mais eficazes, confiáveis, responsáveis e legítimas

Um mundo com mais igualdade é um mundo melhor! Se você gostou do vídeo, curta e compartilhe e não deixe de acompanhar os outros 16 objetivos aqui no nosso canal Até a próxima!