Dá pra viver uma vida Lixo Zero? | MARES LIMPOS #3

Sacolas plásticas A maneira mais utilizada para levar os produtos que você compra pra casa

Leves, porém resistente São feitas de várias formas e tamanhos, são baratas e encontradas facilmente em diversas lojas e mercados Ao todo, são usadas mais de 5 trilhões de sacolinhas plásticas por ano no mundo Só 1% delas é reciclada, o resto vira lixo, entupindo esgotos e sistemas de drenagem, causando enchentes e finalmente chegando ao oceano, onde irão durar centenas de anos Ainda assim, em média, cada sacolinha é usada por apenas 12 minutos Estima-se que a quantidade de lixo produzida no mundo gira em torno de dois bilhões e meio de toneladas por ano

80% do plástico encontrado nos oceanos vem das cidades, É aí é que está o problema Cada cidade precisa encontrar sua melhor maneira de lidar com essa gestão de resíduos e a gente vai conhecer uma cidade que está cada vez mais próxima do objetivo de virar lixo zero: São Francisco Eles vêm investindo em reciclagem, compostagem e hoje têm altas taxas quando a gente pensa no reaproveitamento dos materiais usados no dia a dia da cidade Aqui na baía de São Francisco, as prefeituras locais estão trabalhando muito pra chegar bem perto da meta de gerar zero lixo em breve Isso inclui estrutura de coleta seletiva, reciclagem e compostagem e inclui também a participação de estabelecimentos comerciais com opções para essa vida lixo zero

Inclui a participação dos governantes, dos empresários e principalmente da comunidade O movimento realmente começou aqui no final dos anos sessenta As pessoas começaram a se preocupar com o meio ambiente e foi na sua maior parte um movimento de base Foram pessoas em suas casas Elas estavam ouvindo sobre a poluição e vendo isto em outras partes do mundo e vendo isto aqui

E elas começaram a defender programas, então quando o movimento de reciclagem começou nos anos setenta, elas começaram com pequenos centros de reciclagem, baseados em uma igreja, ou fora de uma escola e esse tipo de coisa Então havia um grupo de pessoas trabalhando em reciclagem que eram pessoas da comunidade, pessoas ativas Ao mesmo tempo, o governo foi influenciado por essas pessoas para fazer programas que o governo pagou, ao invés de serem voluntários E não é só a coleta e reciclagem que fazem uma cidade lixo zero O dia a dia das pessoas e principalmente os estabelecimentos comerciais devem estar preparados para isso

É possível ver o envolvimento e participação de toda a cidade Eu tô aqui na frente do Rainbow Grocery esse mercado que tem um monte de coisa a granel Eu trouxe meus saquinhos, eu trouxe meus potinhos e vamos lá fazer compras Tem várias coisas comuns como a gente vê no Brasil: feijão, arroz, mas aqui atrás de mim a gente tem, por exemplo, uma coisa que eu nunca vi lá que são os óleos Tem azeite, tem shoyu, óleo de canola, óleo de girassol

Você pega um vidro e você coloca aqui e enche A outra coisa legal desse supermercado é que se você não tiver trazido o seu próprio pote você pode comprar aqui vários de vidro, então você não gera lixo mesmo Se você trouxer seus próprios potes e as suas próprias sacolas para o supermercado, então você está pagando apenas pela comida que você compra Se você vai a um feira e compra frutas e vegetais soltos, não há embalagem, então há menos custo na experiência geral As verdadeiras soluções são se livrar das embalagens e dos recipientes que causam problemas

Mas e quanto aos sacos, copos, garfos e facas compostáveis ? Não se engane Não é porque é uma sacola é feita de milho, por exemplo, que ela vai se decompor Elas se comportam igualzinho as de petróleo: demoram séculos para se decompor, mas têm nomes que confundem o consumidor como plástico verde O bioplástico é feito a partir de cana de açúcar, soja, milho, amido de arroz e outros materiais Tem ainda o PLA e o oxi-biodegradável, e esse, é proibido na Europa

O nome a composição varia, mas no final das contas eles matam da mesma forma os seres marinhos Talvez elas sejam verdes e digam biodegradáveis e sejam comercializados como se fossem muito boas pro ambiente, mas aí passam por todo o programa de compostagem e então não compostam de verdade As pessoas compram pão em sacolas, parece que tudo vem numa sacola agora E nós proibimos sacolas de plástico aqui porque nós não conseguimos reciclar elas e porque elas estavam se metendo em tudo, então nós tivemos que passar uma proibição em São Francisco no que chamamos de sacos de camisetas Sacos de plástico muito, muito fino

Existe, finalmente, o plástico compostável Ele é feito de amido de milho e é digerível pelas bactérias no processo de compostagem industrial numa temperatura que o processo caseiro geralmente não consegue atingir No caso de cidades como São Francisco o plástico compostável vai junto dos resíduos orgânicos para a compostagem industrial e no final viram um adubo incrível Essas coisas são muito recentes Este é um novo campo ou uma nova indústria

Algumas dessas coisas compostam bem, algumas delas não compostam de jeito nenhum Em São Francisco há um padrão e se elas atendem aos critérios, quem produzir pode imprimir a palavra "compostável" em letras maiúsculas Mas eu encorajaria as pessoas a trazer suas próprias sacolas e trazer seus próprios recipientes Uma pessoa inteligente resolve o problema Esta é a bolsa compostável

Uma pessoa sábia evita completamente o problema Este é o jarro de vidro, é o saco de pano reutilizável Isso é mais simples, está mais em harmonia com a natureza do que todo esse plástico, que eu chamo de plástico de conveniência, essa ideia de uso único São Francisco quer chegar a ser a uma cidade lixo zero ou seja, não enviar nenhum resíduo para aterros Para isso uma cidade precisa criar uma estrutura que contemple pessoas, empresas e sistemas de coleta e reciclagem de resíduos

E, claro, novas alternativas para antigos problemas É preciso uma estrutura que sustente isso Que faça a coleta seletiva e que recicle ou composte tudo o que foi descartado Mas como pagar essa conta? Nós vimos uma vez por semana e esvaziamos as três latas, pegamos todo o material e reciclamos e compostamos a maior parte A gente faz muita compostagem

Custa cerca de 40 dólares americanos por mês É uma tarifa definida pela cidade, então eles olham para todas as nossas despesas e todas as nossas receitas aqui na Recology, e então determinam o que é um preço justo para os moradores Quando reciclamos o vidro, o metal e o papel, poderemos vendê-los a lugares que produzem novos papéis, novos metais e novos vidros, o que ajuda a pagar por todo o programa Então fazendo mais reciclagem, podemos trazer mais dinheiro para a cidade Isso é algo importante para as pessoas entenderem sobre o lixo zero e sobre reciclagem, que a economia é muito boa

A terceira parte, com uma importância fundamental, é o papel de cidadão Afinal, se a infraestrutura de coleta, compostagem e reciclagem larga escala e os estabelecimentos estão preparados para isso É na casa das pessoas que a mágica acontece Eu tô aqui na casa da Sarah, ela mora em São Francisco e tem várias pequenas coisas do dia a dia dela que você também pode fazer isso sem depender de ninguém, e que ajudam muito nessa batalha para diminuir nosso consumo de plástico e nossa geração de lixo diária Para os filhos dela levarem a comida pra escola, ela usa as lancheiras de metal com guardanapos de pano e uma garrafa reutilizável

Todas as crianças fazem isso? Todas fazem! Os produtos de limpeza são todos naturais e biodegradáveis, que ela deixa concentrados numa garrafa e depois dilui com água de acordo com o que ela precisa Aquela história de que você precisa de um produto de limpeza pra cada coisa da casa? Não! A gente ensinou a fazer o detergente que também serve para tudo! Clique aqui, se você não viu no "Dicas da Fe Cortez" Você pode usar ele pra lavar roupa, você pode usar ele pra lavar as coisas da casa e você pode usar como, por exemplo, o sabão de coco que funciona pra isso tudo também Essa daqui é a compostagem industrial que rola em São Francisco, então essa sacola é uma sacola que vai compostar junto com as comidas e aí quando você vai pegar o saquinho no mercado, ele já é o saquinho que vai compostar junto Então, dessa maneira você pode botar todo o seu lixo orgânico dentro desses saquinhos e tudo isso vai ser compostado nuns lugares gigantes e vai virar adubo que é usado aqui mesmo na Califórnia, fechando o ciclo

Igual a natureza faz, sabe? Todas as casas aqui em São Francisco pagam uma taxa para esse recolhimento e tratamento do lixo então eles recebem três latas Uma verde, para tudo que é compostável, uma preta, que é o que vai para o aterro sanitário, e uma azul que é pro reciclavel Em cima tem explicando tudo que pode ir em cada uma das latas e essa daqui se você pega metade dela que é do aterro, você paga menos então ela vai até metade Eentão aqui as pessoas pagam pelo lixo que elas geram e isso é uma forma adotada por muitas cidades que conseguem fazer uma gestão melhor dos resíduos sólidos Aparentemente uma taxa pelo lixo pode soar como mais um imposto

As cidades que fazem uma boa gestão de residuo, economizam muito de seu orçamento em limpeza urbana, desentupimento de bueiros e saúde Afinal, resíduo quando vira lixo é custo pra todo mundo Algo que é bem único em Seattle é que todo mundo faz isso Então, primeiro de tudo, há uma ética ambiental realmente forte, mas também temos regulamentos em vigor, então é necessário que todos separem os orgânicos do lixo e todos separem a reciclagem do lixo E isso é todo mundo: moradores, empresas, condomínios com muitas famílias

Então é universal Esse é o exemplo de São Francisco, mas cada cidade tem uma realidade e um desafio diferente no caminho do lixo zero Pra isso, governos indústrias e cidadãos têm que encontrar juntos as suas soluções O que a gente não pode esquecer é que o plástico não é um problema só para as aves marinhas, pros seres que habitam o mar ou para o meio ambiente como se o ambiente fosse um lugar mágico, muito distante, que a gente visita de vez em quando O meio ambiente é nossa cidade, é a nossa rua, é nossa casa

E o que a gente faz na nossa casa reflete na comida que a gente come e na água que a gente bebe Você não precisa viver numa cidade lixo zero para adotar práticas lixo zero São pequenas ações, a maioria das cidades por exemplo, tem mercados a granel e aí a única coisa que precisa mudar é a sua atitude Em vez de pegar aqueles saquinhos plásticos, leva o seu kit a granel Ele pode ser feito, inclusive, com lençol velho

E se você quer se engajar na campanha Mares Limpos, o desafio das duas próximas semanas é fazer compras a granel Faça os seus saquinhos ou compre eles prontos O importante é não usar plástico Não esquece de postar usando a hashtag #mareslimpos pra gente poder acompanhar por aqui e pra você chamar os amigos para fazerem também E se você curtiu um vídeo dá aquele like, se inscreve no canal e ativa as notificações porque semana que vem tem mais